domingo, 24 de junho de 2012

Sobre escolhas.

As vezes penso que devo sim me jogar em uma aventura, tentar, ousar, pular de cabeça. Em outras, sei que não sou esse tipo de pessoa, penso nas mil e uma consequências que podem atingir a mim e aos mais próximos, não me pergunte se já consegui muitas coisas pensando demais, pode ser até que tenha conseguido algumas, mas a maioria saiu de um jeito errado de qualquer forma, como se fosse possível tudo dar certo né? Essa coisa de querer controlar o que vai acontecer me faz perder toda a diversão, tudo bem, eu nem sou tão animada assim. As vezes é difícil perceber que você perdeu um monte de coisas por fazer escolhas, não erradas, mas que não te levaram onde você queria, talvez onde você deveria estar, mas longe do que queria. Nunca me arrependi inteiramente de algo que fiz, mas sim, parte de mim já desejou que tivesse sido diferente. 

Psiu você

O tempo começou a melhorar por aqui, e meu humor veio junto com ele. O que era cinza pouco a pouco é transformado em azul e a folhas caídas renovam-se. E com estas renovações gostaria que meus amores se renovassem também, mas parece que não adianta. Disseram-me "concentre-se no que está fazendo agora, e foque nisso, o resto o tempo leva" mas não está levando, ando me prendendo em casa dia-pós-dia, faça sol ou faça chuva. Hoje mais que nunca, não sei o que quero, o que sinto. As coisas andam meio confusas por aqui. Tanto aconteceu, e ao mesmo tempo nada. Nada de novo pra adoçar a vida, nada de novo para se pensar. Só o passado que resolveu se hospedar em mim.
A dias você não me sai da cabeça, então eu fico tentando imaginar se você ainda pensa em mim ou se esqueceu, porque eu estou confusa e ando pensando tanto em você. Tento me conter, repetindo a mim mesma que não posso atrapalhar sua vida, e nem vou. Mas fica difícil parar de pensar quando você anda invadindo meus sonhos quase todos os dias. 
Por que faço isso comigo? Fico me torturando pelo passado, pelo que está perdido, pelo que deixei escapar, pelas promessas que não cumpri? Por que você tem que voltar assim, do nada, entrar na minha cabeça e fazer esse estrago enorme sem ao menos estar presente? Quando me dei conta eu já estava ouvindo todas as música que você gosta, revirando seu repertorio de artistas, procurando os livros que você já leu, para te conhecer melhor, tentando sempre estar próxima mesmo que longe. E eu fico tentando entender se estou me apaixonando por você ou se é só meu estado de carência dando efeitos colaterais. Prefiro pensar na segunda opção para que meu coração não morra de desgosto de mim porque eu tenho medo de ter encontrado a pessoa certa e ter deixado-a escapar. Sempre achamos que deveríamos querer outra coisa e quando vê já é tarde demais, ele já te superou. 
Ou talvez não era esse tempo, nem essa vida. Por enquanto continuarei aqui engolindo a seco a vontade que estou de você, sem cruzar seu caminho.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

As coisas pararam de acontecer, então me fechei pro mundo, pra vida. Por mais que a vontade prevaleça, já não é de mim ceder a vontades, a carne faz o que quer e a alma já nem tem forças para comandar, ela obedece calada, cansada. A verdade é que sempre me senti assim, mas a coisa nunca foi tão forte. Me diziam coisas do tipo : "acredita, foco, um dia passa, não é nada...", mas nunca passou, não completamente pelo menos, o coração apertando o peito sempre foi o mesmo, a falta de ar sempre foi significativa, e acredito que venha piorando nesse caso, mas hoje nem se preocupam mais com as mentiras que venho contando diariamente, nem sei se meus olhos ainda sabem contar a verdade, talvez de tanto encenar uma mentira a alma tenha se convencido de que é isso mesmo a vida. Que os raros momentos em que não sentiu o aperto no peito eram para ser bem guardados, mas as vezes nem foi dado o valor necessário e esquecidos. As vezes repito pra mim mil vezes "eu tenho tudo", mas a verdade é que eu não tenho nada. E nunca ouvi ninguém dizer ter coisas desse tipo, acho que não tem cura, nenhum irmão, nenhum amigo, nenhum amor tem esse poder, acho que venho carregando tristeza de outras vidas, de outros eu. Agora é esperar o fim dos longos e solitários dias, acho até que é melhor mesmo que eles sejam solitários, assim não tem a possibilidade de um contagio, um contagio de desespero interno, e esperar... esperar por uma eternidade de paz na alma.